Política monetária: eis aqui mais um dos termos que tanto ouvimos falar na carreira financeira. 

Basicamente, ela é uma forma de controle econômico. Com ela, é possível regular a oferta de moedas em circulação no Brasil, por exemplo. Por consequência, isso também controla a inflação.

Entretanto, essa explicação é só o começo. Vamos entender melhor o que é a política monetária?

O que é política monetária?

Para te explicar o que é a política monetária, eu vou te ajudar, primeiro, a imaginar como seria o país sem ela. Imagine que, hoje, os preços em um supermercado não serão os mesmos de amanhã. Tão volátil quanto os preços, seriam os juros: já imaginou essas taxas fora de controle? 

Dia após dia, haveria uma nova surpresa ao lidar com o seu salário. Sem demora, tanto você quanto as empresas, chegariam à conclusão de que é impossível pagar as contas. Desemprego e estagnação econômica seriam apenas dois dos resultados dessa falta de organização.

Parece um cenário apocalíptico? Parece. Para evitar esse caos é que existe a política monetária.

De forma resumida, essa política diz respeito às ações do governo para equilibrar as contas do nosso país. Desemprego, inflação, circulação da moeda: tudo isso afeta a economia. Logo, tudo isso é levado em consideração pelo governo ao definir políticas monetárias – em outras palavras, as medidas que vão manter o Brasil funcionando.

Quais os objetivos da política monetária?

Como você já pode ter percebido, um dos principais objetivos é manter a inflação sob controle. Entretanto, esta não é a única missão da política monetária.

Outro objetivo bastante importante é o estímulo ao crescimento econômico. Todas as ações tomadas pelo Bacen (e seus órgãos) visam o desenvolvimento do Brasil.

O aumento na taxa de pessoas empregadas também deve ser listado aqui. Afinal, desenvolvimento econômico também significa que há mais emprego para a população.

Não menos importante, também devo citar o equilíbrio nas transações econômicas com o exterior.

Qual a política monetária adotada no Brasil?

Atualmente, há dois tipos de política monetária que norteiam as ações do Brasil: a política expansionista e a contracionista. A adoção das medidas de cada uma depende da situação econômica do país. Mas, calma: logo eu vou te explicar o que cada uma significa.

Outra medida tradicional da nossa política monetária é o regime de metas de inflação. Assim, por meio da Taxa Selic, o Brasil está sempre focado no objetivo de alcançar a estabilidade de preços no mercado.

Quais os tipos de política monetária?

Dentro desta explicação, desdobram-se dois conceitos bem importantes:

Política Monetária Expansionista

Neste tipo de política monetária, o Banco Central aumenta a oferta de moeda em circulação no país. Além disso, reduz as taxas de juros. 

Tudo isso serve para melhorar o desempenho da economia. Afinal, as medidas proporcionam um aumento no poder de compra da população, o que incentiva o consumo.

Política Monetária Contracionista

Aqui, acontece o oposto. Ou seja, a economia é desacelerada. Para isso, o Banco Central aumenta a taxa de juros. Por consequência, isso diminui a demanda por crédito nos bancos. No fim, a moeda circula menos e a inflação diminui.

Quais os instrumentos da política monetária?

Para vigorar no país, a política monetária se utiliza destes instrumentos aqui: 

  • Depósito compulsório: taxa cobrada dos bancos a fim de reduzir a moeda em circulação. Assim, garante liquidez mínima – do contrário, esses mesmos bancos poderiam quebrar quando os clientes fossem sacar seu patrimônio;
  • Redesconto bancário: é a taxa de juros aplicada em empréstimos para bancos comerciais. Quando alta, os bancos impõem maiores dificuldades para emprestar dinheiro para pessoas físicas e empresas. Assim, a circulação da moeda também diminui;
  • Open Market: também conhecidas por “mercado aberto”. Aqui, o Bacen administra a compra e venda de títulos públicos, para conter ou expandir a circulação da moeda;
  • Alteração da taxa básica de juros: este é um recurso menos usado. Ele, por sua vez, significa a imposição de taxas e condições para controlar o volume de crédito no país.

Qual a diferença entre política fiscal e monetária?

Os nomes podem até parecer semelhantes, mas ambos possuem definições distintas. 

Até aqui, você aprendeu que a política monetária tem como principal função a emissão do nosso dinheiro. É responsável, ainda, por avaliar as causas que isso pode ter na inflação ou taxa de juro.

A política fiscal, por sua vez, tem a ver com a forma como os gastos públicos e impostos afetam as atividades das empresas e da população em geral. 

Como é elaborada a política monetária?

Aqui no Brasil, a política monetária fica nas mãos do Banco Central do Brasil (Bacen). 

Contudo, o Bancão não é o único envolvido no processo. Para normatizar as ações do Bacen, existe o Conselho Monetário Nacional. Além destes, há ainda o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom). Este último, por sua vez, é uma entidade do Bacen que define as taxas de juros praticadas pelo Estado.

O principal meio de aplicação da política monetária é através da taxa de juros. Assim, instituições com poder para tal – as já citadas aqui – empreendem algumas alterações a fim de interferir na economia do país.

Quando a taxa de juros está baixa, a inflação aumenta e o orçamento das famílias é afetado. Desse modo, o aumento desta mesma taxa dificulta o acesso da população ao dinheiro. Ao mesmo tempo, serve para manter a inflação controlada. 

Qual é a função do Copom na política monetária?

Como eu acabei de mencionar, o Copom age em conjunto com o Banco Central em prol da política monetária

Em suma, todas as decisões desse comitê são baseadas no objetivo de controlar a oferta do Real, bem como demais questões referentes à concessão de crédito.

Por consequência, cada uma dessas decisões vai influenciar no poder de compra de nós, brasileiros. Afinal, o preço das mercadorias e o valor da moeda, por exemplo, vão mudar. Os investimentos, inclusive, também podem ser afetados nessa dinâmica.

Outra responsabilidade do Copom é a divulgação trimestral do relatório de inflação. Com eles, temos a definição de um dos mais importantes indicadores econômicos do Brasil: a taxa Selic.

Quer continuar aprendendo com a Top?

Aqui na TopInvest, a educação dos profissionais do mercado financeiro é completa. Mais do que preparar estudantes para as certificações, nós também trabalhamos em prol do seu desenvolvimento profissional. Se você quer continuar aprendendo, que tal dar uma conferida agora nos cursos preparatórios TopInvest? Eu te prometo: vamos te tornar um profissional top de linha!

Gostou do conteúdo? Sabia que temos muitos vídeos sobre certificações e investimentos no nosso canal do Youtube? Clique aqui para conhecer!