A Política Cambial é a tentativa das autoridades monetárias em controlar as entradas e saídas de moeda estrangeira de um país. Seu intuito é adequar a taxa de câmbio ao momento econômico da economia nacional. Também, sem esquecer que lembramos diretamente que é um processo do governo.

Por isso, existem os chamados instrumentos de Política Cambial. Com eles o BACEN adota medidas em conjunto a Política Monetária e Política Fiscal nos momentos de excessiva valorização ou desvalorização do real perante o dólar.

Tais medidas objetivam evitar uma grande volatilidade na taxa de câmbio. Uma vez que, estas alterações repentinas prejudicam Pessoas Físicas, Jurídicas e o próprio governo, devido as importações e exportações.

Tudo isso sem falar da dívida nacional e de algumas empresas lastreadas em dólar. Logo, é possível compreendermos que a Política Cambial busca amenizar a volatilidade da taxa de câmbio.

Curso Online Preparatório para Anbima CEA

Inclusive, lembra que uma das funções primordiais do BACEN é cumprir as metas de inflação determinadas pelo Conselho Monetário Nacional?

Pois é, há um consenso onde acredita-se que é de competência do BACEN controlar o câmbio, visto que vários dos produtos consumidos são importados e a taxa de câmbio elevada acaba influenciando a inflação.

Porém, lá no ano 2000 o Brasil passou a adotar o regime de Política Cambial Flutuante no modelo Dirty Float, onde a taxa de câmbio é livre mas com interferência do BACEN apenas para evitar a forte volatilidade.

Mas, você sabia que não só aqui em nosso país, como no mundo inteiro, existem mais formas de regime de Política Cambial?

Não perde tempo e clica no vídeo para saber quais são elas:

Os regimes de Política Cambial

Desta maneira, como já mencionei, existem alguns regimes importantes que regem a Política Cambial no mundo. Tal que, um deles já falamos sobre, contudo, nada melhor que colocarmos todos juntos.

Os regimes são:

  • Flutuante
  • Fixo
  • Híbrido

Política Cambial Flutuante

Em regimes de cambio flutuante o preço da moeda é determinado livremente pelas leis de oferta e sem nenhuma interferência dos Bancos Centrais.

Alguns exemplos de regime flutuante são os países desenvolvidos, como EUA, zona da Europa, Inglaterra, entre outros.

Política Cambial Fixo

Em geral, nos países socialistas onde a interferência do governo na economia é muito elevada a taxa de câmbio é fixa.

Neste tipo de regime o Banco Central local atua realizando a compra e venda de toda a oferta ou demanda disponível para evitar que ocorram variações nas taxas de câmbio.

Este regime costuma ser extremamente desvalorizada para auxiliar a economia local a realizar exportações, como o caso da China.

Política Cambial Híbrida

O regime híbrida é uma mistura dos regimes fixo e flutuante. Neste modelo há uma interferência do Banco Central local, porém de forma menos acentuada que o regime fixo.

Qual regime é utilizado no Brasil?

Para os brasileiros o governo utiliza uma espécie de flutuante que chamamos de suja. Isso porque, para evitar uma forte volatilidade o Banco Central costuma entrar fazendo ofertas de compra e venda de moeda, já que a Política Cambial está muito ligada a importância da moeda extrangeira dentro de uma nação.