Sempre que falamos de finanças nada é tão simples quanto parece. Até mesmo quando vamos analisar a rentabilidade de um investimento é preciso estar atento.

E, é ai que entra a diferença entre rentabilidade bruta e rentabilidade liquida. E claro, se você veio parar aqui é porque sabe que este é um assunto cobrado nas certificações financeiras como CPA 10, CPA 20, CEA e também na ANCORD.

Mas fique tranquilo, porque por mais compreender a diferença entre rentabilidade bruta e rentabilidade liquida seja muito importante para que você seja um investidor de sucesso também é de simples compreensão.

Para ganhar tempo, vamos a um rápido vídeo explicativo sobre a diferença entre as rentabilidades.

Para que você compreenda bem esse assunto vou começar falando um pouco sobre o que é rentabilidade.

Rentabilidade

Rentabilidade é um termo financeiro para nomear a diferença do valor que você investiu e o valor que você recebeu. Existem diversas formas de se analizar esse retorno. Porém, para você como investidor pessoa física o mais importante é saber diferença entre rentabilidade bruta e rentabilidade liquida e da rentabilidade absoluta em comparação a rentabilidade relativa.

Apenas para exemplificar de forma clara se você investe R$ 1.000,00 e após um ano resgata o valor de R$ 1.120,00 a diferença do valor aplicado pelo valor recebido será sua rentabilidade. Neste exemplo a rentabilidade do investidor foi de R$ 120,00 ou 12% ao ano.

Agora que o termo está desmistificado vamos compreender a diferença.

Rentabilidade Bruta

Rentabilidade bruta é aquela que obtemos antes de fazer os descontos. Esta é a rentabilidade que é mostrada nos diversos investimentos, por isso preste muita atenção. Se um título promete ter uma rentabilidade de 10% a.a não significa que se você mantiver seu dinheiro investido valerá exatamente 10% a mais.

Sobre esse valor de rentabilidade bruta apresentada descontamos os custos e impostos para chegar a…

Rentabilidade Liquida

A rentabilidade liquida é o “rendimento bruto” de seus investimentos descontando os custos que você teve na transação.

Vamos utilizar o mesmo exemplo anterior. Investi R$ 1.000,00 em um título e ao final de um ano o valor era de R$ 1.120,00, ou seja, uma rentabilidade bruta de R$ 120,00 ou 12% ao ano. Para obtermos a rentabilidade líquida iremos descontar:

  • 20% de imposto de renda sobre o rendimento de R$ 120,00 = R$ 24,00;
  • Tarifa da corretora para transferir o dinheiro para sua conta corrente = R$ 5,00;

Neste exemplo temos um custo total de R$ 29,00 que deve ser deduzido da rentabilidade bruta (também conhecida como aparente) para obtermos a rentabilidade líquida. Desta forma temos:

  • + R$ 120,00 Rentabilidade Bruta
  • – R$ 24,00 Imposto de Renda
  • – R$ 5,00 Tarifa TED

Obtemos ao final uma rentabilidade líquida de R$ 91,00. Perceba que em termos percentuais a rentabilidade já caiu de 12% a.a para 9,10% a.a.

Agora que você já sabe a diferença entre rentabilidade bruta e rentabilidade liquida podemos avançar mais um passo e obtermos a rentabilidade real.

Curso Online para Certificação CPA10

Rentabilidade Real

A rentabilidade real como diz o próprio nome significa o quanto o investimento realmente lhe trouxe de retorno. Para chegar a este número é muito fácil. Precisamos apenas descontar o valor da inflação do rendimento.

O desconto da inflação (como estamos falando de juros compostos) será sempre um pouco inferior a simples subtração dos %. Suponhamos que a inflação no ano do nosso investimento foi de 4,50%. Neste caso utilizamos os 9,10% (rentabilidade líquida) e de forma simples fazendo a subtração dos 4,50% chegaremos a 4,60% de rentabilidade real. Mais uma vez, como estamos falando de juros compostos a rentabilidade será sempre um pouco inferior a subtração.

Para calcular a rentabilidade real com a fórmula é facinho, temos que descontar a inflação. A gente usa a fórmula:

(1 + Rentabilidade Nominal) / (1 + Inflação)

Desse resultado subtraímos -1.

Por exemplo. A rentabilidade nominal foi de 10% e a inflação de 9%

Então tempo 1,091/ 1,045 = 1,044
Menos 1 = 0,044

Para voltarmos a % fazemos x 100

E nossa resposta de rentabilidade REAL é de 4,4019% ao ano.

Rentabilidade Absoluta x Rentabilidade Relativa

Outra forma de analisar a rentabilidade é de forma absoluta ou relativa. Estas duas formas de análise são bem comuns no mercado financeiro.

A rentabilidade absoluta nada mais é do que a rentabilidade bruta demonstrada por um investimento. Se estivermos falando de um título público federal pré fixado que rende 10% ao ano, estes 10% são a rentabilidade absoluta. Já a Rentabilidade Relativa, como o próprio nome diz possui um índice de referência a ser comparado. Este índice de referência também é chamado de Benchmark e, quando estamos falando em renda fixa este benchmark normalmente é o CDI.

Esta análise de rentabilidade se chama de relativa porque possibilita ao investidor fazer uma comparação com os demais investimentos. Isso permite uma tomada de uma decisão de investimento mais embasada. Afinal pode-se verificar se a rentabilidade absoluta realmente é atrativa em relação aos demais investimentos.

Para que você compreenda melhor este conceito vamos exemplificar com ou Tesouro Pré-Fixado rendendo 10% a.a. No início de 2013, esta era uma ótima oportunidade de investimento porque o CDI estava em 7,20% a.a. Para obter a rentabilidade relativa que é a rentabilidade do Tesouro Pré Fixado em relação ao CDI basta aplicar uma regra de 3. Desta forma encontramos uma rentabilidade relativa de 125% do CDI. (Veja um artigo sobre a comparação entre Tesouro Selic e a Poupança).

Na situação econômica atual de setembro de 2016 a análise de rentabilidade relativa seria bem diferente. Utilizando o mesmo fundo com uma rentabilidade pré-fixada em 9% a.a, e o CDI atual em 13,20% a.a a análise seria completamente diferente. Aplicando a mesma regra de 3, teríamos uma rentabilidade relativa de 68,20% do CDI.  Um péssimo investimento uma vez que as instituições financeiras oferecem CDB’s com taxas a partir de 80%.

Estes conceitos de rentabilidade são importantíssimos para que você possa tomar uma decisão sábia como investidor.