Você sabia que além dos diferentes perfis de investidores: moderado, agressivo…existe também uma qualificação para o tipo de investidor, podendo ser normal, qualificado, profissional e não residente?

Vem conhecer um pouco mais sobre o investidor profissional, como se tornar um e quais as vantagens de ter esse título. Lembrando que essa designação é feita conforme a Instrução 539 da CVM.

O que é um investidor profissional?

Investidor Profissional é uma categoria de investidores definida pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) conforme a sua Instrução 539.

Nela estão inclusos profissionais que tem um CPF ou CNPJ e tem R$10 milhões investidos. Existem também algumas atividades que qualificam os profissionais como investidores profissionais, são elas: agente autônomo de investimento, administradores de carteira, analistas ou consultores de valores mobiliários, desde que todos sejam autorizados e prestem contas dessas atividades para CVM.

Ser um investidor profissional concede alguns benefícios exclusivos, como acesso a produtos e serviços diferenciados. Mas essa diferenciação não é a toa. Entende-se que por possuir mais experiência, esse tipo de investidor pode acessar investimentos com maior probabilidade de ganhos e de riscos também!

Qual a diferença entre investidor qualificado e profissional? 

Existem algumas diferenças entre investidor qualificado e profissional. A principal delas está no valor investido, sem dúvidas. Para ser investidor qualificado, é necessário comprovar 1 milhão investido. Já para ser um investidor profissional é necessário comprovar 10 milhões.

Quais as vantagens de ser um investidor qualificado?

Além do reconhecimento de ser um investidor qualificado, existem alguns recursos que só são liberados para investidores nesse nível. Vem conferir algumas vantagens de ser um investidor qualificado. 

Os investidores qualificados tem acesso a produtos em bolsa do exterior e taxas reduzidas em algumas corretoras.

Ao mesmo tempo que tem acesso a mais produtos de investimentos com alto potencial de valorização, o nível de risco dos produtos oferecidos também aumenta. Mas, não fique chateado se você ainda não consegue acessar esses produtos, eles são oferecidos especialmente a esses investidores que já possuem conhecimento e experiência suficiente para administrar esses produtos mais diferenciados.

Acesso a diversas categorias de aplicações financeiras

Os investidores qualificados tem acesso a fundos de investimento no exterior e certificado de recebíveis com ofertas diferenciadas desse tipo de serviço.

Taxas reduzidas a gestão especializada

Aqui é uma relação ganha-ganha, assim como a tendência desses investidores é fazer mais transações mensais, as corretoras facilitam esse processo reduzindo as taxas, incentivando assim, a movimentação na carteira.

Quais os investimentos para investidor profissional?

Existem algumas categorias de investimentos exclusivos para investidores profissionais e qualificados. Vamos conhecer um pouco mais a fundo cada uma delas.

CRI e CRA

O CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários) são títulos para financiar as transações do mercado imobiliário. O CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio), funciona de forma semelhante ao CRI, porém está ligado ao setor do agronegócio.

Debêntures incentivadas

Debêntures são títulos emitidos por empresas, dessa forma o investidor empresta dinheiro à companhia em troca do recebimento do valor com juros.

FIP

Fundos de Investimentos em Participações (FIP) são recursos que tem como destino a aplicação em companhias aberas, fechadas ou em sociedades limitadas que estejam em fase de desenvolvimento.

FIDC

Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) são fundos de investimento que destinam uma parcela considerável do seu patrimônio para a aplicação em direitos creditórios – cheques, parcelas de cartão de crédito e até mesmo duplicatas.

FMIEE

Fundos Mútuos de Investimento em Empresas Emergentes (FMIEE) são fundos constituídos como condomínio fechado e tem a finalidade de investir seus recursos na aquisição de ação e outros valores mobiliários.

Como se tornar um investidor profissional?

Para se tornar um investidor profissional você precisa se encaixar em alguns pré-requisitos a seguir:

  • Investir mais de R$ 10 milhões: É necessário ser pessoa física ou jurídica que tenha comprovação desse valor investido em aplicações financeiras.
  • Clubes e Fundos de Investimento: É uma comunhão de recursos de pessoa física que obrigatoriamente deve possuir no mínimo 3 e no máximo 50 participantes.
  • Agentes autônomos, administradores de carteira, analistas ou consultores de valores mobiliários: Profissionais certificados com a  AAI, CEA, CNPI, CGA, CGE ou CFP e que estejam autorizados a CVM a atuar estão habilitados a se tornarem investidores profissionais.
  • Instituições financeiras: Desde que autorizadas pela CVM para prestação de serviços.
  • Investidores não residentes: São considerados pessoas físicas ou jurídicas, fundos ou outras entidades de investimento coletivo, com sede ou domicílio no exterior, mas que investem no Brasil.

Como a TopInvest pode auxiliar você a se tornar um investidor profissional?

Não, a TopInvest não vai dar R$10 milhões de reais para você investir, mas é quase isso! Quando você conquista a certificação AAI, CEA, CNPI, CGA, CGE ou CFP, você fica habilitado a se tornar um investidor profissional.

Estude com os cursos da TopInvest para as provas de certificação financeira e conquiste essa titulação.

Gostou do conteúdo? Sabia que temos muitos vídeos sobre certificações e investimentos no nosso canal do Youtube? Clique aqui para conhecer!