Certificações Financeiras

O que estudar para CPA 10?

Kleber Stumpf
Escrito por Kleber Stumpf em 8 de abril de 2021

Esta certificação destina-se aos profissionais que atuam ou desejam atuar na distribuição de produtos de investimentos em agências bancárias ou plataformas de atendimento. Além de ser exigida, atesta os conhecimentos do profissional sobre o mercado financeiro.

Isso quer dizer que se você não possui a CPA 10, não é possível trabalhar com distribuição de produtos de investimentos, nem mesmo ser um gerente de um banco.

Quem realiza essa certificação é a ANBIMA.

Mas o que é a ANBIMA? A ANBIMA é a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais.

Você é muito jovem para isso, mas os mais experientes como eu hehe, se lembram das duas instituições que existiam: a ANBID e a ANDIMA. E o que aconteceu foi a junção destas duas empresas e se tornaram a ANBIMA.

Ela possui alguns deveres e se compromete a cumprir e acreditar em:

  • Informar para dar mais transparência, segurança e fomentar os negócios;
  • Um mercado forte se faz com instituições fortes e bem representadas;
  • Autorregular criando regras para o mercado e em favor dele;
  • Educar capacitando e qualificando os profissionais, como também disseminar a educação financeira.

Quando falamos de capacitar e qualificar os profissionais é indispensável sabermos que a ANBIMA possui um código que se chama: Educação Continuada. E este possui uma paradas que chamamos de certificações financeiras, logo, são aquelas que mais conhecemos e muito falamos, a CPA 10, CPA 20 e a CEA.

A gente nota que é uma escadinha de certificações, pois uma vem em seguida da outra.

E para a ANBIMA ter certeza que você está apto para ser especialista de investimento, é preciso realizar uma provinha hehe

A prova para a CPA 10 é computadorizada, você faz a sua inscrição pelo site da ANBIMA e vai a uma instituição credenciada, escolhida por você, assim como a data e o horário, e faz a prova direto no computador. Tudo ali automático.

Quantas questões são? A prova possui 50 questões de múltipla escolha, com 4 alternativas cada. Você terá 2 horas para a realização da mesma.

Quantas questões preciso acertar? é necessário ter no mínimo 70% dos acertos para ser aprovado, ou seja, 35 questões das 50, isso né?

Até peguei a minha HP e fiz umas contas aqui, se você tem 120 minutos – que são 2 horas – para fazer as 50 questões, isso significa que você terá 2,4 minutos para responder a cada questão. É por isso que te digo que você pode fazer a prova bem tranquilo, relaxado e confiante que dá tempo sim!

Separei para você os módulos, sua quantidade de questões e ainda a porcentagem que cada um possui em sua nota final.

Módulo 1 – Sistema Financeiro Nacional e Participantes

5 a 10% – 3 à 5 questões;

Abrindo um espaço aqui, em minha opinião este não é um módulo difícil, mas sim fácil de se compreender e praticar. E note, ele não é tão cobrado assim quanto os módulos seguintes.

Módulo 2 – Ética, Regulamento e API

10 a 15% – 5 a 8 questões;

Neste módulo é essencial a sua atenção principalmente por falar de ética, pois é a partir dela que fizemos nosso trabalho da maneira correta e de bons costumes.

Módulo 3 – Noções de Economia e Finanças

10 a 15% – 5 a 8 questões;

Módulo 4 – Princípios de Investimento

10 a 20% – 5 à 10 questões;

Esse módulo é bem básico para que você possa começar a entender os investimentos e como colocá-los em prática junto ao seu cliente.

Módulo 5 – Fundos de Investimento

20 a 30% – 10 à 15 questões;

E olha só essa, se você tiver sorte e em sua prova cair o Módulo 5 e o Módulo 6, você já terá 55% da sua prova em apenas dois módulos. Show, né?

Módulo 6 – Instrumentos de Renda Fixa e Renda Variável

15 a 25% – 8 a 13 questões;

Módulo 7 – Previdência Complementar Aberta: VGBL e PGBL

5 a 10% – 3 a 5 questões;

Já este último módulo, em minha humilde opinião, deveria cair mais questões sobre o assunto. Mas, gente, se liga só: muita atenção nesse Módulo 7, não por mim, não pela prova, mas sim por você, a gente está vivendo em um momento com mudanças na reforma na previdência, e não existe momento melhor para vender produtos de previdência privada ao cliente.

Sabe por quê? A previdência é um produto muito bom, rende bastante e faz parte de sua meta como profissional.

Confere mais algumas informações importantes aqui:

O Novo Investidor - Tudo sobre Investimentos, Finanças e Economia

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *