Depois de aprender como usar o LinkedIn para alavancar a sua carreira bancária, é hora de aprender a montar um currículo perfeito. Para trabalhar em banco, é preciso ter alguns cuidados na hora de se candidatar à vaga. Por isso, eu trouxe aqui hoje algumas dicas super práticas para te ajudar.

Como fazer um currículo para banco?

Dica #1: não esqueça nenhum dado pessoal no currículo

Estes dados costumam aparecer no cabeçalho do seu currículo. Eles são imprescindíveis e você não pode esquecer de nenhum. Por via das dúvidas, segue essa colinha aqui:

  • Nome completo;
  • Cidade, estado e bairro;
  • E-mail;
  • Telefone fixo e celular (com DDD!);
  • LinkedIn.

Dica #2: capriche na descrição dos seus objetivos profissionais

É nos objetivos que o recrutador tem um vislumbre mais detalhado sobre que profissional você é e sobre qual você deseja se tornar. Nesta etapa, tato e elegância são fundamentais. 

Primeiramente, nada de escrever um objetivo genérico e amplo. Isso dará a impressão de que você não se esforçou o suficiente na criação do seu currículo. Além disso, também denota que o mesmo currículo foi enviado para inúmeras instituições diferentes. E atirar para todos os lados, nesse momento, não pega bem, né?

Saiba para qual vaga você está aplicando e conheça a instituição em questão. A partir disso, escreva um objetivo que descreva como essa oportunidade, especificamente, se enquadra na sua trajetória profissional. 

Entretanto, cuidado: nada de escrever algo muito curto ou muito longo. Três ou quatro frases, bem escritas, devem ser o suficiente.

Dica #3: organize a sua escolaridade

Se você já for graduado, não é necessário informar em quais escolas estudou o ensino fundamental e médio. Isto é irrelevante para a vaga e só alongaria o seu currículo.

Disponha em ordem decrescente (do atual ao mais antigo) os seus cursos de ensino superior, caso os tenha. Não esqueça, ainda, de informar as instituições nas quais estudou. Aqui, você não precisa colocar os cursos extras que fez. Para estes, temos um lugar reservado mais adiante.

Dica #4: informe os idiomas que você sabe falar

Aqui, não tem segredo. Você deve apenas listar os idiomas que conhece, junto com o seu nível de conhecimento. 

Uma alternativa de distribuição é a seguinte: informar quais os seus níveis de aptidão para leitura, escrita e fala. 

Dica #5: deixe claro quais certificações financeiras você tem

Partiu dar aquela refrescada na memória e lembrar quais são? Se liga:

Lembre-se que, para muitas instituições e vagas, as certificações podem ser obrigatórias. De qualquer forma, elas te colocam à frente da concorrência.

Se você ainda não tem nenhuma, ou ainda está estudando, pode ter a ajuda da TopInvest. É só clicar aqui e conhecer nossos cursos. 

Dica #6: dê detalhes sobre a sua experiência profissional

Você já deve saber que precisa listar sua experiência profissional no currículo. Entretanto, eu tenho uma dica extra.

Ao fazer essa listagem, dê mais detalhes sobre as suas atividades em cada função. Nesta parte, é possível, também, informar sobre possíveis promoções que você possa ter conquistado ao longo da carreira.

Dica #7: informe cursos, palestras e experiências internacionais

Tem algum curso de aprimoramento profissional? Já foi em alguma palestra incrível? Teve a oportunidade de viver uma experiência internacional? Excelente!

Essas informações também são valiosas para um recrutador. Afinal, mostram que você vai além do básico. 

 O que não fazer ao montar um currículo

Agora que você já sabe como montar um currículo perfeito, é hora de estar ciente sobre o que deve ser evitado. 

  • Só envie referências de antigos empregadores se o recrutador solicitá-las. Ter essas informações no currículo pode ser bastante invasivo;
  • Não exagere no design. É claro que você pode apostar em algo diferente do tradicional. Entretanto, não pese a mão nas cores, formas e tipos de fonte;
  • Cuidado com o tamanho do currículo. Duas páginas, por exemplo, é o tamanho ideal. Mais do que isso torna o documento longo e prolixo demais. Menos, pelo contrário, pode desvalorizar a sua carreira e formação;
  • Evite erros de gramática e pontuação. Isso é capaz de arruinar toda a credibilidade das informações que você dispôs ao longo do currículo;
  • Não deixe nenhuma informação relevante de fora. Imagine enviar o currículo e, segundos depois, lembrar que uma experiência importante ficou para trás. Não dá, né? Se preciso, revise o currículo mais de uma vez antes de mandar!

Como mandar currículo para o banco?

Currículo pronto, é hora de enviá-lo! Lembre-se de que estamos na era digital. Ou seja, nada de ir pessoalmente até o local para deixar o documento por lá.

Nos sites de cada instituição é comum que haja uma área específica para você cadastrar o seu currículo. Por isso, faça essa pesquisa para saber exatamente onde aplicá-lo.

Há muitas vagas que são divulgadas no LinkedIn. Nesse caso, a plataforma já redireciona você para uma página de candidatura, na qual o seu currículo vai ser solicitado.

Partiu trabalhar em banco?

Agora, é hora de colocar as mãos na massa. Lembre-se de ser bastante atencioso ao desenvolver o seu currículo. É ele que será o seu cartão de visita e que pode te abrir as portas necessárias para trabalhar em banco.

Procure, ainda, manter esse documento sempre acessível. Salve um arquivo no seu celular ou na nuvem. Dessa forma, sempre que precisar, ele estará ali, a postos. Também mantenha um arquivo editável, para futuras atualizações.