Para compreender bem esse assunto é importante levar em consideração 4 fatores. O preço unitário (PU), a marcação a mercado, a Taxa SELIC (e os demais indexadores como o CDI) e a relação entre a rentabilidade de um título e as taxas de juros.

Para que sua compreensão fique mais fácil vou começar explicando pelo último dos fatores.

Relação entre a rentabilidade de um título e taxa de juros

Nos Títulos do Tesouro Direto pós-fixados, essa relação é mais clara. Isso acontece porque sua rentabilidade depende diretamente da taxa básica de juros da economia (SELIC). Logo nos títulos pós-fixados, quanto maior a taxa de juros, maior o seu rendimento.

Já nos títulos pré-fixados, quanto maior for a taxa SELIC também maior será a porcentagem (remuneração pré fixada) acordada. Isso acontece porque há uma relação indireta entre a taxa de juros e o rendimento pré fixado oferecido pelos títulos.

Dessa forma, quanto menor a taxa de juros, menor também será o seu rendimento em todos os tipos de títulos (Pré Fixado, Pós Fixado, Híbrido) e vice e versa.

Esta é a primeira forma de como as taxas de juros afetam os títulos públicos, mas não é só isso. As oscilações na taxa de juros também afetam o preço unitário de cada título. Para que você não fique perdido vamos fazer uma revisão sobre isso.

O que é PU?

PU significa preço unitário. É basicamente o preço pelo qual cada título público é negociado dentro da plataforma no Tesouro Direto. O PU ou preço unitário pode ser dividido em duas categorias: PU de compra (preço unitário de compra) e PU de venda (preço unitário de venda).

O PU de compra é o preço pelo qual você compra ou vende um título público do Tesouro Direto em um determinado dia. Por exemplo, se um título tiver como PU de compra R$1.000,o0 isso significa que um título do Tesouro custaria R$1.000,00.

A boa noticia é que você não precisa comprar um título inteiro, mas sim compra pequenas frações deste, sejam elas múltiplas de 0,01. Ou seja, desde que elas sejam múltiplas de 1%.

É possível investir no tesouro direto com apenas R$ 30,00. Se quiser saber mais sobre este assunto escrevi um material exclusivo falando sobre qual o valor mínimo para investir no tesouro direto.

Já o preço unitário de venda é o preço que você vai receber caso deseja vender antecipadamente um título.

Caso você tenha uma fração, digamos que ela seja 20% de um título e deseja vender-la, você obviamente não receberá o valor cheio do título e sim o valor proporcional que neste caso seria de 20% do valor que é mostrado como o PU atual.

Além é claro de calcular o preço de compra e o preço de venda de um título negociado dentro da plataforma do Tesouro Direto, o PU (preço unitário) também ajuda a ver a rentabilidade de alguns títulos do Tesouro Direto.

Primeiramente, os títulos pós-fixados vão render no vencimento a taxa acordada, por exemplo, a SELIC mais o valor do título. Porém, isso não significa que o preço de compra do título seja sempre o mesmo e podem acontecer fortes variações. A isso chamamos de marcação a mercado.

Logo se você comprar um determinado título, por um preço menor do que o preço de lançamento ou do que o preço na curva, você aumentará a sua rentabilidade. Falando nisso outro fator de como as taxas de juros afetam os títulos públicos é a diferença entre a Marcação a Mercado e a Marcação pela Curva de juros.

Não vou tratar sobre este assunto aqui porque há uma seção onde exploro esse tema detalhadamente. Você pode aprender tudo sobre isso em nosso artigo sobre Marcação a Mercado x Marcação Pela Curva de Juros.

Os títulos de Renda Fixa acompanham a Taxa de Juros

De forma simples todos os títulos de renda fixa são títulos de crédito, ou seja, a sua aplicação nada mais é do que um empréstimo para outra pessoa ou empresa. Essa transferência de recursos é deslocamento de recursos entre os agentes superavitários e deficitários e também a base do Sistema Financeiro Nacional.

Como estamos falando empréstimos essa transferência de capital é remunerada por uma taxa de juros até o seu vencimento. Uma vez que a SELIC é a taxa básica de juros da economia, toda e qualquer alteração realizada pelo COPOM vai influenciar não somente a remuneração dos títulos públicos federais mas também todos os empréstimos e investimentos em território nacional.