CEA - Certificação Especialista de Investimentos

Opções Flexíveis: tudo o que você precisa saber

Kleber Stumpf
Escrito por Kleber Stumpf em 6 de janeiro de 2021

Utilizado pelos investidores para encontrar alternativas para fugir da volatilidade do mercado, o Mercado de Opções utiliza estratégias e negociações específicas para adquirir retornos acima do investimento. E um dos tipos de negociação encontrados neste espaço são as Opções Flexíveis.

Tais são uma variação de negociação nas Opções. Além de serem asseguradas por um contrato especial registrado com a Bolsa de Valores brasileira (B3).

O que são Opções Flexíveis?

Embora quase sempre batemos na mesma tecla, falando em negociações, é importante registrar que as Opções Flexíveis consistem na negociação de ativos no Mercado de Balcão organizado pela B3.

Por isso, esse tipo de operação permite que as partes envolvidas definem livremente as especificações dos contratos que o compõem.

As características dos contratos flexíveis são:

  • Registrar e fechar negociações entre moedas diferentes do real, ou duas distintas
  • Capacidade de indicar proteção contra proventos em dinheiro
  • Redução de Risco de Crédito
  • Incluem limitadores de preço em operações de alta para negociações de compra
  • Incluem limitadores de baixa para negociações de venda

Curso Online Preparatório para Anbima CEA

Por que é flexível?

Deu para notar como as características já abordam o termo flexível por apresentar diversas formas de operações?

Inclusive, esse tipo de Opções aborda o conceito de flexibilidade por ter contratos negociados que possibilitam a escolha personalizada de parâmetros limitadores de preço, funções e barreiras de knock-out ou knock-in.

Assim, as Opções Flexíveis garantem ao investidor (titular) de comprar ou vender Derivativos fundamentados em:

  • moeda
  • ações
  • índice
  • ETF´s
  • taxa de juros

Falando em barreiras…

Barreira de knock-out

Essas Opções possuem a característica de serem extintas no momento em que uma certa barreira é tocada ou ultrapassada.

Barreira de knock-in

Já estas Opções só passam a existir no momento que determinada barreira é tocada ou ultrapassada.

As barreiras são classificadas de duas maneiras:

  • Baixa (down)
  • alta (up)

Mais de 4000 questões comentadas para sua certificação financeira

Barreira de baixa é aquela que, dada queda do ativo durante o tempo de duração, ao ser tocada/ultrapassada para em um menor valor. Ou seja, implica na existência da Opção. Mas acontecem somente em Opções europeias.

Contudo, as barreiras de alta são aquelas que só existem/extinguem quando o ativo objeto alcança ou supera o preço da barreira.

Então, knocked-in: ativa a opção; e knocked-out: desativa a opção.

Variações das Opções com barreira

  • Parciais (partial barriers): são aquelas cujo período de monitoramento do movimento de preço do ativo não corresponde ao prazo. Portanto, desde a contratação da Opção até o vencimento, apenas partes dele.
  • Barreiras Secundárias (outside barriers): são aquelas na qual uma segunda variável serve de barreira para determinar se a Opção terá ou não validade. Desta maneira, deve haver uma correlação entre o preço da primeira e segunda variável para ser precificada e existir.
  • Barreiras Múltiplas (multiple barrier): estas existirão quando há mais de uma barreira para o mesmo ativo na estrutura. É muito comum o uso de barreiras duplas, para formar knock-in, knock-out. Isto é, uma combinação de ambas, devendo especificar qual dará validade ou não a operação, se primeira ou a última tocada, ultrapassada ou respeitada.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *