O Mercado futuro é um ambiente onde se negocia contratos de compra e venda de produtos que só serão realizados no futuro.

Dessa forma, alguns fatores influenciam na formação do preço dos contratos.

Os principais fatores são a oferta e demanda e a taxa de juros.

Outro fator importante é a proteção: O Mercado Futuro é utilizado para proteger o investidor da imprevisibilidade de preços, ou até mesmo de algum outro fator externo.

As sanções comerciais e econômicas também podem ser um obstáculo para os produtores, levando-os a procura dos derivativos agropecuários.

Além disso, o clima pode contribuir ou não para uma boa produção, causando certa incerteza futura.

Esses fatores podem prejudicar não só a produção de produtos e commodities como prejudicar as
exportações.

Exemplo prático:

Um produtor de milho possui custo total de R$ 40,00 por saca de milho, assim, para obter lucro é necessário que venda o milho por R$ 50,00 a saca.

Nesse caso, ele pode vender um contrato futuro de milho na B3 travando o preço de
R$ 50,00 hoje e, aconteça o que acontecer no mercado, você vai ter resultado financeiro de R$ 50,00 por saca.

Se ao final do contrato, o milho estiver cotado a R$ 70,00, ele paga, via ajuste diário, R$ 20,00 e garante a venda por R$ 50,00.

Ainda, se ao final do contrato o milho estiver cotado a R$ 30,00, ele terá recebido, via ajuste diário, R$ 20,00. 

Tributação do Mercado Futuro

Fato gerador de tributação do Mercado Futuro é o fato de auferir ganho líquido na negociação/liquidação de contratos futuros.

A alíquota é de 15% no Imposto de Renda.

Além disso, ele é apurado em períodos mensais e pago, pelo investidor, até o último dia útil do mês subsequente.

As perdas poderão ser compensadas com os ganhos auferidos em operações realizadas nos mercados a vista, de opções, futuro ou a termo, ou seja, somente serão compensadas com ganhos auferidos em operações da mesma espécie.

Dessa forma, as operações de day trade também só poderão ser compensadas em operações day trade.