Continuando nossas aplicações de conhecimentos acerca da aquisição de imóveis, vamos no artigo de hoje, abordar mais um programa de financiamento de propriedade, mais especificamente, o Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).

Que tal clicar aqui no vídeo e já começar com tudo os nossos estudos sobre o SFI? Clica aí:

O que é o SFI?

Com função principal de regularizar a atuação de instituições financeiras (IFs) ou não financeiras em operações de financiamento de imóveis. Foi regulado e registrado pela lei 9.514/97.  O SFI torna o crédito imobiliário mais adaptável em condições de mercado com incentivo governamental. 

Através dele vale destacar que, a garantia usada é de alienação fiduciária, onde pode ocorrer a retomada do imóvel em casos do não cumprimento do contrato, após 90 dias de atraso. Isso gera maior segurança às instituições financeiras e também permitindo que os investidores tenham mais acessos ao mercado de financiamentos. 

Então, ao falarmos que o Sistema de Financiamento Imobiliário é regularizado de acordo com a  atividade das instituições financeiras, é importante sabermos que existem duas modalidades onde estas instituições possam participar. Sendo que elas são originárias de crédito e também participantes adicionais:

As originárias de crédito atuam no mercado primário e resultam em crédito imobiliário mais flexível pelas condições de mercado, sem incentivo ou interferência governametal. De forma que financiam os imóveis para o comprador, seja ele Pessoa Física (PF) ou Pessoa Jurídica (PJ). São eles:

Participantes adicionais do SFI

Os participantes adicionais, como seu próprio nome diz, elas se adicionam de maneira a entrar em momentos onde já existem outras instituições incluídas. Assim, estas novas podem ser:

  • Prestadores de serviço: como os correspondentes bancários
  • Agentes fiduciários: representam os investidores no CRI
  • Instituições custodiantes: IFs que custodiam os títulos e valores imobiliários
  • Agências de Rating: essas dão notas de crédito a um título de crédito;
  • Seguradoras
  • B3 (antiga CETIP): local em que os títulos são negociados e liquidados, como o CRI
  • CVM (Comissão de Valores Mobiliários): fiscaliza toda a questão dos valores mobiliários no mercado

Características do Sistema de Financiamento Imobiliário

Além de possuir individualidade fundamental, levando a facilidade de pactuação e respeito de tópicos como, remuneração, taxas de juros e seguros. Com isso você deve se pensar: esse sistema é mais livre que o SFH (Sistema Financeiro da Habitação)!

Sim, você está correto!

O SFI traz mais liberdade em reposição integral dos valores emprestados e visa suprir as carências do SFH; a remuneração será sempre de acordo com a taxa contratada, onde é independente compactuada entre ambas as partes; utiliza dois sistema de capitalização de juros, a Tabela SAC e a Tabela Price; Como comentado anteriormente, o SFI possui uma garantia, de forma a assegurar o contratante, logo a contratação de seguros se torna obrigatória e deve ser de MIP (morte ou invalidez permanente) e desejável DFI (Dano físico ao imóvel).

Mais de 4000 questões comentadas para sua certificação financeira

Com as características definidas é necessário sabermos que o SFI se apresenta e serve suas atividades para a sociedade quando o imóvel está em processo de incorporação, isto é, em caso do mesmo ainda não estiver pronto, pode ser adquirido pelo SFI; em situações de compra e venda de imóveis com a construtora; leasing  imobiliário: uma espécie de aluguel de um imóvel, podendo ser comprado pelo financiador; e o para o financiamento imobiliário geral (praticamente todos os tipos de imóveis).  

Podemos deduzir que o SFI é de maneira mais imposta ao financiamento de um imóvel pelo contratante e muitas vezes é considerado para a classe média, por isso os imóveis “populares” continuam sendo feitos por meio do SFH. 

Portanto ao comprar uma casa própria, por exemplo, o financiamento imobiliário é o mais escolhido por possuir opções que permitem alongar os prazos de pagamento, embora fatores como renda, valor contratado e capacidade de pagamento, sejam diferenciais na hora da realização das operações de um financiamento.

Gostou do conteúdo? Agora você já sabe uma das formas de financiamento a longo prazo para a obtenção de um imóvel. Então, fique a vontade para deixar sua dúvida nos comentários e irei responder o mais breve possível. 

Agora, que tal darmos uma praticada no que aprendemos? Se liga só na questão, depois reponde nos comentários qual a resposta que você acha que é!

Questão:

Considere as seguintes afirmativas sobre o SFI:

I. A forma de recursos (funding) para essas operações está relacionado ao mercado financeiro ou de capitais, mediante a emissão de títulos.

II. A taxa de juros (Custo Efetivo Máximo) das operações é limitada a 12% ao ano.

III. Pode ser financiando qualquer tipo de imóvel, urbano ou rural.

Pode-se afirmar que está correto o que se afirma apenas em:

  1. I e III.
  2. II e III.
  3. I, II e III.
  4. I e II.

E aí, será que você acertou? Vamos analisar! A número I, sim é correta e inclusive o principal título emitido por aqui é o CRI. Já a número II, está errada, pois, esta taxa é imposta ao SFH e não ao SFI (cuidado com as siglas). Já a última e denominada número III, está corretíssima, até porque já falamos que neste sistema é mais flexível para fazer diversos financiamentos.

Logo, a nossa letra correta é a A. E aí, assinalou a correta?