As Opções são recheadas de flexibilidade, permitindo um número muito grande de técnicas operacionais que fornecem aos investidores diversas alternativas, tanto especulativas quanto de proteção. Mas você sabe quais são as principais estratégias do Mercado de Opções?

Existem tantos termos característicos, como call, put, strike, entre outros, que podem confundir a cabeça do investidor. Porém, dentro mundo de Derivativos, mais especificamente das Opções, há formas bacanas de prtoteger uma carteira de ativos. Bem como o uso de suas estratégias definidas.

Dois grupos de estratégias do Mercado de Opções

Divididas em dois grupos, as principais estratégias do Mercado de Opções são mais aprofundadas do que os tipos mais básicos. Sendo elas:

  • Estratégias direcionais: são operações onde a direção do movimento do preço do ativo-objeto é determinada no resultado final.
  • Estratégias não direcionais: são aquelas em que a direção do movimento do preço do ativo-objeto não influencia o resultado da operação.

Isso quer dizer que ao escolhermos operar com Opções não estamos apenas escolhendo e apostando na direção, como também em como acontecerá a oscilação dos preços. Logo, é importante conhecermos mais afundo cada grupo de estratégias.

Curso Online Preparatório para Anbima CEA

Desmistificando cada grupo de estratégias

Estratégias Direcionais

  • Trava de Alta: é uma estratégia que se beneficia com a alta do ativo. Ela consiste em: 
    • Compra de opções de Strike K1
    • Venda na mesma quantidade, de opções de Strike K2
    • Necessariamente K2 é maior que K1

O sentido disso é que se o mercado subir, isso aqui vai ao infinito e além, enquanto o lucro estará travado. Pois, ao mesmo tempo que haverá ganho com comprar, eu estarei perdendo com vender.

Assim, a lógica é que se acontecer de o mercado cair, a ação de perdendo passará a ganhar, enquanto a outra fica em perder. Esta é investir na alta do mercado.

  • Trava de Baixa: ao contrário da anterior, a Trava de Baixa é uma estratégia em que esperamos um cenário de baixa do ativo-objeto. 

Esta é uma alternativa de investir na queda do mercado, porque aqui pode tudo! Basicamente, é apenas inverter o sinal: o que estava comprado iremos comprar o maior e vender o menor. Ao passo que, se o mercado despencar haverá lucro e se o mesmo subir haverá a trava.

  • Borboleta: consiste na venda de um número de Opções de compra no valor de strike, onde se espera que a ação esteja na data do vencimento, e mais a compra de metade do número de Opções vendidas em um strike abaixo e outra compra de metade do número de opções em um strike acima.
    • Borboleta de Alta: diferente das travas, onde esperamos um cenário de alta ou baixa, a borboleta tem seu valor máximo de ganho em um único valor de ativo-objeto;
    • Borboleta de Baixa: invertermos os sinais da operação montamos uma Borboleta de Baixa. 

Mais de 4000 questões comentadas para sua certificação financeira

Por que chamamos de trava?

Vamos abrir uma observação aqui! Como o seu próprio nome diz, a trava para tudo, ou seja, ficaremos travados de acordo com a estratégia utilizada.

Ela trava o prejuízo e também trava o lucro. Desta maneira, há proteção em ambos os lados.

Estratégias Não Direcionais

Agora, quando falamos no outro grupo de estratégias do Mercado de Opções podemos compreender que é um trade de volatilidade.

Uma posição comprada em volatilidade é aquela em que o aumento da volatilidade implícita da Opção proporciona lucro na operação. E o contrário também pode ser verdadeiro, pois uma posição vendida em volatilidade é aquela em que uma diminuição na volatilidade implícita da Opção proporciona lucro na operação.

Portanto, se estamos comprados na volatilidade alta há lucro, e se vendermos na volatilidade baixa também haverá lucro.

Gostou do conteúdo? Sabia que temos muitos vídeos sobre certificações e investimentos no nosso canal do Youtube? Clique aqui para conhecer!