Certificações Financeiras

Definições Legais de Fundos de Investimento

Kleber Stumpf
Escrito por Kleber Stumpf em 7 de novembro de 2019
Junte-se a mais de 100 mil pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Você já parou para pensar, o que define um fundo de investimento? Como ele é feito, que pode administrar o próprio, se o gestor precisa ser credenciado ou não, regras e afins?

Nesse artigo vamos discutir alguns desses tópicos, e para ajudar o leitor a compreender melhor, colocaremos alguns exemplos!

Definições Legais de Fundos de Investimento

O fundo de investimento, nada mais é do que um ativo diversificado. Onde os investidores, aplicam seus recursos, e com esse investimento eles detêm participação no fundo através das cotas.

Exemplo com as definições legais de fundos de investimento:

Você gostou de um fundo de investimento, e resolveu investir. Digamos que era um fundo DI.

Fundos DI seguem de perto o CDI, sendo assim a carteira é diversificada em ativos que são indexados no CDI.

Existem centenas desses fundos. Na realidade, são os que mais existem no mercado brasileiro. Praticamente, todo banco oferece um fundo assim.

Seguem algumas características básicas de um fundo DI.

  • Aplicação inicial de R$: 1.000,00
  • Benchmark: CDI
  • Taxa administrativa pode variar, entre 0,5% até 4%.

A gestão desse tipo de ativo é relativamente passiva. Uma vez que tais aplicações não sofrem com a volatilidade do mercado, uma vez que se trata de investimento pós-fixado.

Bom, voltando ao exemplo…

Então, você analisou todos esses dados e acabou aplicando o valor mínimo de R$: 1.000,00.

Depois de um mês. Com o intuito de avaliar quanto o seu dinheiro rendeu, você logo percebe que o seu valor em reais, foi convertido em cotas. E que cada cota representava tantos reais do fundo.

Exemplo:

Vamos imaginar que o fundo teve inicio no mesmo momento em que você investiu. Cada um real aplicado no fundo representaria um real do patrimônio.

Dificilmente um fundo DI terá prejuízo, então vou focar em demonstrar a evolução da cota em caso de valorização.

Ao final de um mês, o fundo obteve rendimento positivo de 1,0%.  Se a cota estava valendo R$: 1,00, no inicio do investimento, agora a mesma vale 1,01.

Compreendeu? Agora vou explicar com outro exemplo…

Vamos supor que você realizou um novo investimento, mas 10 meses depois da inauguração do fundo.

Levando em consideração as informações anteriores, e supondo que o fundo tenha conseguido valorização de 10%, nos 10 meses. O valor da cota seria de R$: 1,10.

Os mesmos mil reais agora, porém, investidos 10 meses depois, representariam um total de 909,09 cotas.

Condomínio

Podemos definir os fundos de investimentos como condomínios.

Dessa forma, cada investidor, ou cotista, possui parte desse condomínio, e seus rendimentos serão de acordo com a porcentagem que possui do condomínio.

Isso significa que se você possui 900 cotas de um fundo, seu rendimento não será o mesmo de quem já possui 1000 cotas.

Lembrando que investir mil reais em um fundo, não significa necessariamente que você possui mil cotas do mesmo.

As cotas vão variar com o tempo e o rendimento. Utilizando o exemplo do fundo DI, as cotas vão se valorizando com o passar do tempo.

Dessa forma, um investidor que investiu mil reais na inauguração do fundo, e por tanto possui mil cotas.

Pode ter mais que outra investidor que investiu dois mil reais, porém, dez anos depois.

Poder de negociação

Outra característica que pode definir um fundo de investimento é o poder de negociação. Fundos, na grande maioria possuem grande poder financeiro.

Tendo milhões de reais em dinheiro, ou em forma de ativos. Sendo assim, eles podem influenciar bastante no mercado. Tanto na compra quanto na venda.

Diferentemente do investidor pessoa física, que muitas vezes não possui capital suficiente para comprar dez mil ações, ou varias debêntures, por exemplo.

Os fundos conseguem de maneira mais fácil, comprar grandes quantidades e ter acesso a outros mercados mais difíceis.

Curso Online para Certificação CPA10

A CRI, por exemplo, pode ter seu valor variando a cima dos R$: 100.000,00. Um investidor pequeno não conseguiria investir em tal ativo.

E mesmo que conseguisse, não iria ter capital suficiente para diversificar. Coisa que poderia prejudicar e muito o investidor.

Quer passar em uma certificação Financeira?

Receba um e-book exclusivo com 7 dicas para ser aprovado!

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 Replies to “Definições Legais de Fundos de Investimento”

SARAH CRISTINA DA COSTA

Você falou apenas de prospecto, no segundo caso nao seria lâmina?

Kleber Stumpf

Oi Sarah, tudo bem?

Isso, os três documentos obrigatórios do fundo são:
Lâmina,
Prospecto,
Regulamento.

Visite meu canal no YouTube!

Adquira nosso curso completo da para as provas da ANBIMA.

Siga a gnt no Intagram e não esqueça de compartilhar nosso conteúdo para que possamos continuar com a educação financeira gratuita.

Siga-nos no instagram.
Um abraço,
Kléber Stumpf

Luciano Sousa

Boa noite. Fiquei com uma dúvida em relação a diferença entre o prospecto e a lâmina de informações. Qual a finalidade do prospecto?

Kleber Stumpf

Bom dia Luciano,
Tudo bem?

Vamos lá. O prospecto é uma informação reduzida, dever para uma rápida análise do investidor. Geralmente este documento tem uma folha apenas.

Já o prospecto é um documento maior, onde constam maiores informações como política de risco, finalidade do fundo, tipo de gestão…
Consegui esclarecer a sua dúvida?

Curta nossa página no facebook https://www.facebook.com/TopInvestBrasil e compartilhar nosso conteúdo para que possamos continuar com a educação financeira gratuita.

Um abraço,
Kléber H. Stumpf