Um assunto que está ganhando popularidade no mundo das finanças são as fintechs.

Se você ainda não conhece este termo é uma forma utilizada para designar StartUps dedicadas ao mundo financeiro.

Normalmente estas empresas são focadas em serviços como meios de pagamento, empréstimo, financiamento coletivo, bancos online e cartões de crédito.

A grande promessa das Fintechs é democratizar o acesso a serviços financeiros que possuem barreiras e não são acessíveis a toda população. Com o grande crescimento dessa área de Fintechs, essas startups são divididas em diferentes categorias (16 para ser exato) e suas principais vantagens são eficiência e um custo menor sempre focado no sucesso do consumidor.

Como estas empresas ainda estão no estágio inicial muitas acabam ficando pelo caminho. Em contrapartida muitas se tornam negócios bilionários. 

Para que você conheça um pouco mais sobre o assunto vou te falar sobre 7 Fintechs de áreas bem diferentes que vão fazer você repensar sobre a forma de usar dinheiro.

1) OiWarren

O OiWarren é uma plataforma de investimentos que foi desenvolvida para o público jovem. Utilizando o Warren as pessoas não precisam entender muito de finanças para investir bem. Através da plataforma você pode criar objetivos como Independência Financeira, Fundo de Emergência ou trocar de carro.

Como o site é bem voltado ao público jovem, volta e meia são divulgado os objetivos mais criativos. Tem um investidor que criou o objetivo: Como fazer o Eike Batista parecer pobre.

O Warren vai te ajudar a alcançar objetivos traçando uma estratégia de acordo com as informações que coleta de você em uma conversa divertida com o Warren (chat bot). Tanto a criação dos objetivos quanto o próprio investimento é feito diretamente na Warren que é uma gestora de recursos. Desta forma não é preciso abrir conta em corretora, banco e outras coisas burocráticas.

Uma das coisas mais bacanas é que o investimento mínimo é de R$ 100,00.

2) Creditas

A creditas é uma fintech que fornece crédito pessoal com taxas super atrativas. O grande diferencial é que essa fintech utiliza veículos e imóveis como garantia. Isso torna o risco menor para quem empresta, e consequentemente é possível oferecer juros menores a quem toma emprestado.

Apesar de parecer simples é uma ideia muito boa. Nas instituições financeiras as opções de crédito pessoal tem na média taxas de 2,9% ao mês. Enquanto na creditas é possível ter crédito a 1,15% ao mês, claro que essa taxa de juros só é viável pela garantia do imóvel, algo que não é muito trabalhados nos bancos brasileiros.

O fundador Sergio Furio viu essa oportunidade ao constatar que mais de 70% das famílias dos brasileiros contavam imóvel ou veículo quitado e as grandes instituições financeiras com a facilidade de empurrar empréstimos caros praticamente escondem este tipo de operação.

Afinal se você pegou um empréstimo colocando seu imóvel em garantia a última coisa que você vai querer é perder seu bem.

O Novo Investidor - Tudo sobre Investimentos, Finanças e Economia

3) Visia Investimentos

Esta fintech aposta no investimento em fundos multimercado quantitativos. Enquanto os fundos de investimento tradicionais são administrados a partir de estratégias elaboradas por gestores os quantitativos são conduzidos através de algoritmos em diversas estratégias.

A maior das vantagens dos fundos da Visia Investimentos é a eliminação do erro humano e das decisões baseadas em emoções. 

4) GuiaBolso

O Guia Bolso é uma das primeiras fintechs brasileiras. A proposta dessa empresa é um aplicativo gratuito de gestão financeira pessoal integrado com seu banco. Diariamente o app sincroniza seus gastos efetuados no cartão de crédito e débito, você não precisa ficar fazendo lançamentos.

A grande sacada é que para você classificar seus gastos só é necessário criar algumas categorias e mover a despesa para essa categoria uma vez. Por exemplo, na primeira vez que você gastar R$ 80,00 em um mercado você caracteriza o gasto como mercado. Depois sempre que você fizer uma compra no mesmo lugar o app vai adicionar essa despesa na mesma categoria automaticamente.

Ao abrir o aplicativo você pode ver de forma fácil seu saldo nas contas correntes cadastradas, cartões de crédito e também de seus investimentos. O GuiaBolso ainda gera gráficos de fonte de renda e gastos. 

5) URBE.ME

A missão do urbe.me é revolucionar a forma como se faz investimento imobiliário.

Esta é uma ferramenta que utiliza o conceito de investimento coletivo (crowdfunding) possibilitando que qualquer pessoa se torne um investidor no segmento da construção civil. Como a acessibilidade está entre o principal foco das Start Ups é possível fazer investimentos em empreendimentos imobiliários a partir de R$ 1.000,00.

Você realiza o aporte em um determinado empreendimento imobiliário e recebe um titulo de participação sobre as vendas das unidades imobiliárias.

6) StartMeUp

Este fintech é uma plataforma de crowdfunding de investimentos em startups.

Para você que adora o empreendedorismo e sempre sonhou em ser um investidor anjo mas não tinha recursos suficientes esta StartUp pode apresentar grandes oportunidades de investimento em empresas inovadoras.

Como você aporta capital a risco em um negócio embrionário o potencial de retorno é alto. Para participar da captação de recursos e investir em uma StartUp através da StartMeUp o valor mínimo é em torno de R$ 500,00.

7) Acesso

Essa fintech tem como principal produto a emissão de cartões pré-pagos. Para utiliza-los, você “carrega” o cartão com dinheiro e depois depois de carregado pode ser utilizado em todas as lojas que aceitem a bandeira MasterCard. 

O Novo Investidor - Tudo sobre Investimentos, Finanças e Economia

A acessocard cobra para a emissão do cartão o valor de R$ 14,90. Apesar de não ser totalmente gratuito é muito mais barato que a anuidade que qualquer cartão que você encontra nos bancos convencionais. Colocar créditos no cartão é muito fácil e pode ser feito através do seu internet banking ou mesmo com boleto bancário.

Mas a grande sacada é que o cartão é internacional e uma vez que é pré-pago não há consulta a órgãos de proteção ao crédito como SPC e Serasa (veja as consequências do nome sujo).

Essas são apenas algumas das Fintechs em funcionamento hoje. A área de investimentos é uma das mais revolucionárias. Eu escrevi um material bem legal falando sobre Robôs de Investimento, serão que você investe melhor do que um robô?

Se você conheçe mais alguma Fintech que julga ser importante deixe para mim nos comentários!