CEA - Certificação Especialista de Investimentos

Classificação da CVM para Fundos de Investimento

Kleber Stumpf
Escrito por Kleber Stumpf em 7 de novembro de 2019

Cursos Anbima, Ancord e Abecip com Desconto

A Classificação da CVM para Fundos de Investimento nos traz diversos grupos e subgrupos de fundos. Na realidade, não é nada de outro mundo, e para mim é uma das partes mais divertidas. Pois, vamos começar a entender os fundos e conhecer seus nomes que parece de deuses e master power! hehe

Esse procedimento realizado pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) serve para orientar os investidores antes de começarem a investir em determinado fundo.

Então, já começa dando um clique no vídeo aqui embaixo:

É óbvio que para entender tudo, é essencial sabermos que toda a classificação de Fundos de Investimento é regulada e regulamentada da Instrução Normativa da CVM 555.

É ela que dispõe tudo sobre os fundos!

Em nosso mercado possuímos quatro classificações de fundos, porém, uma dessa classificação possui subclassificações. Se liga!

  • Fundos de Renda Fixa:
    • Curto Prazo
    • Referenciado
    • Dívida Externa
    • Simples
  • Fundo Cambial
  • Fundo MultiMercado
  • Fundo de Ações

É importante eu ressaltar para você que cada uma destas classificações possuem características bem específicas.

Curso online Preparatório para Ancord AAI

Fundos de Renda Fixa

Por ser denominados Fundos de Investimento de Renda Fixa é necessário obter no mínimo 80% do seu patrimônio líquido em Renda Fixa.

E dentre deste fundo há as subclassificações: Curto Prazo, Referenciado, Dívida Externa e Simples.

Basicamente, o que vai diferenciar é que essas subclassificações continuam a ter 80% do patrimônio em Renda Fixa, só que há uma característica extra para cada um:

  • Curto Prazo: prazo médio ponderado dos ativos de carteira é inferior a 60 dias
  • Referenciado: investe no mínimo 95% do PL em ativos que façam referência ao benchmark do fundo
  • Dívida Externa: investe no mínimo 80% do seu PL em ativos de Renda Fixa emitidos fora do pais
  • Simples: investe no mínimo 95% do seu PL em Títulos Públicos Federais

Outros Sufixos

E depois deste fundo temos os sufixos. Mas, são dois, então não há com o que se preocupar.

  • Fundo de Investimento de Crédito Privado:
    • Investe no mínimo 50% do seu patrimônio em crédito privado
    • Deve conter a expressão Crédito Privado em seu nome
    • Apresentar com destaque no material de venda o risco de perda substancial de patrimônio em caso de não pagamento dos ativos integrantes da carteira
  • Fundos de Investimento de Longo Prazo:
    • Adiciona Longo prazo no sufixo

É permitida a utilização cumulativa de sufixos,  de acordo com as características do fundo.

Curso Online para Certificação CPA10

Fundo Cambial

É o tipo de fundo que objetiva acompanhar a variação cambial. Possui 80% do seu Patrimônio Líquido em ativos que busquem acompanhar a variação cambial. Mais comum com Dólar, mas existem fundos de diversas moedas.

Fundo Multimercado

Não há restrições sobre patrimônio ou classe de ativos, isso porque têm uma gestão mais “livre”, visto que, pode ser multimercado, multicarteira, e multi qualquer coisa. Logo, não há restrições.

Este é um fundo livre, porém, tudo de acordo com as Políticas de Investimentos. Mas, há fundos que se dividem em categorias ou estratégias. São eles:

  • Macro
  • Trading
  • Long & Short
  • Juros e Moedas
  • Capital Protegido
  • Estratégia Específica ou Livre

Lembrando que estes não são classificações da CVM, mas sim conhecimento que você precisa ter.

Fundos de Ações

Esse aqui é bem moleza, pois devem possuir no mínimo 67% do seu Patrimônio Líquido em Ações. Consequentemente, possuem maior risco de mercado.

Quer passar em uma certificação Financeira?

Receba um e-book exclusivo com 7 dicas para ser aprovado!

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *