Um levantamento feito pela Deloitte mostrou que apenas 16,9% dos cargos de liderança no mercado financeiro em todo o mundo são ocupados por mulheres. No Brasil, são apenas 8,6%. 

Daí vem a necessidade de levantar a pauta da equidade de gênero em nossa área. Na prática, o que isso significa? Que o mercado financeiro deve ser um ambiente no qual ambos homens e mulheres tenham espaço para crescer e atuar. 

Quais são os obstáculos para a equidade de gênero?

As razões pelas quais as estatísticas dadas no ínicio deste artigo são tão baixas podem ser inúmeras. Podemos começar, por exemplo, pelos estereótipos criados para as mulheres. Assim, muitas não são estimuladas a seguir carreira tidas como “masculinas”, como as de engenharia ou, é claro, finanças.

As que abrem caminho nessas áreas encontram outros obstáculos. O receio de seus potenciais não serem suficientes e de não lhes serem confiados cargos altos são alguns, bem como a desigualdade salarial e a licença-maternidade.

Desde a conquista do direito ao voto, felizmente as mulheres têm conquistado cada vez mais espaço em ambientes profissionais e acadêmicos. Graças a isso, temos uma leva de investidoras, bancárias e afins que estão dando uma cara nova ao mercado.

Você provavelmente conhece a Ana Leoni, por exemplo. Ela é executiva da Anbima. Lá, é responsável pela certificação de profissionais, precificação de ativos, processamento de informações de mercado de capitais, entre muitas outras tarefas. Uma mulher que é uma inspiração para quem está ou deseja fazer parte dessa área.

O que você, mulher, pode fazer para conquistar seu espaço no mercado financeiro?

Primeiramente, você deve acreditar em si mesma. E eu sei que talvez esse conselho pareça bastante vago. Por isso, eu trouxe algumas dicas que vão te encher de confiança nesse caminho:

  • Estude muito. Quem estuda, se torna mais seguro em sua área de atuação;
  • Conquiste certificações e faça cursos. Investir no seu currículo te tornará uma profissional melhor;
  • Invista nas suas soft skills. Elas são importantes para a carreira bancária.

Quando você cultiva o seu lado profissional, vai ao encontro de um ambiente profissional mais saudável – este do qual vou falar agora:

Felizmente, o mundo está mudando

Sempre que esse assunto é trazido à tona, operamos uma pequena mudança no mundo. Ou seja, conscientizamos um pouco mais nossos colegas de profissão e até a nós mesmos. 

Atualmente, temos muitas empresas que se preocupam com a equidade de gênero. Assim, temos ambientes corporativos que buscam investir em seus profissionais de forma igual e justa, não importa se estes sejam homens ou mulheres.

Temos também uma ajudinha da popularização do mercado financeiro. Hoje, já não é mais um assunto para poucos. A internet está aí e nela há muito conteúdo sobre o tema, se tornando acessível para todos e todas. 

É por isso, inclusive, que recentemente firmamos uma parceria com a FIN4SHE. Por lá, você não encontra apenas um conteúdo que vai ajudar você nessa jornada, mas também uma rede de apoio e compartilhamento de vagas.

Segundo Carolina Cavenaghi, uma das idealizadoras do projeto, “A FIN4SHE é uma plataforma de conexão para mulheres e marcas como a TopInvest que querem impulsionar o seu negócio e o mercado através da equidade de gênero. Precisamos cada vez mais de parceiros como vocês, que acreditam na potência da diversidade e buscam soluções práticas para promover essa transformação.”

Por fim, uma pergunta importante: todos e todas prontos para mudar o mercado financeiro?