Como é ser bancário?

Partindo para a primeira pergunta nesse bate-papo… Como é a experiência de estar dentro do banco?

A vida no banco não é fácil, mas é muito legal. Eu trabalhei um bom tempo no banco então posso falar da minha experiência lá dentro. Trabalhar em uma instituição financeira é ser funcionário dela, um CLT. Você possui todos os benefícios, mas também vale lembrar que você possui uma obrigação com a instituição. Por isso é importante bater as metas, cumprir horários, estar acostumado com cobranças constantes e etc. 

No CLT, por trabalhar diretamente para a instituição você possui um plano de carreira. Isso te possibilita ser promovido e estar sempre progredindo de uma forma pré programada. Justamente por isso, para algumas pessoas faz mais sentido trabalhar desse modo já que traz uma certa segurança e previsibilidade. Infelizmente é essa mesma previsibilidade que acaba por limitar o profissional. Você acaba sempre dependendo do seu chefe e da empresa. A sua “única opção” para ter um salário maior é ser promovido. Como um colaborador, o quanto você recebe não depende do quanto você trabalha (diretamente).

Dessa forma o ponto positivo do CLT é a perspectiva do crescimento de carreira e uma maior estabilidade e segurança.

PS. Já que muita gente que acompanha aqui ainda não tem essa experiência, vale a pena conhecer as certificações bancárias obrigatórias como CPA 10 e CPA 20 e saber também como destacar seu currículo para uma instituição financeira.

Como é ser um agente autônomo de investimentos?

Como um autônomo a coisa é completamente diferente. Você depende de si mesmo. Não existem tantas regras quanto à horários e vestimenta quanto dentro de uma instituição financeira. Assim como as metas a serem batidas… é você mesmo quem as estipula.

O grande ponto que requer muita atenção é que até que suas comissões como agente de investimento comecem a “engrenar” você terá que tirar dinheiro do próprio bolso para pagar as contas do trabalho. Será você o responsável por pagar telefone, combustível, almoço para clientes e demais despesas, não o banco.

Em contrapartida não existem limites para o que você pode ganhar. Como é você quem estipula as suas metas, horários e quais clientes atender seus ganhos são ilimitados.

Certificações do Mercado Financeiro

Para se trabalhar no mercado financeiro sempre será necessário uma certificação financeira. E, de acordo com a atividade a ser realizada é necessário uma certificação diferente. Quando falamos do lado bancário, as certificações necessárias são emitidas pela ANBIMA e seguem uma ordem hierárquica. Dá uma olhadinha quais são:

  • CPA 10
  • CPA 20
  • CEA

Essas três certificações são especificamente para quem atua como colaborador em uma instituição financeira associada a ANBIMA. Para trabalhar com crédito consignado, empréstimos e financiamentos habitacionais como corrrespondente bancário existem outras certificações. Veja abaixo as principais:

  • FBB
  • CA300
  • CA400
  • CA600
  • ANEPS

Por fim, para trabalhar como agente autônomo de investimento é obrigatória a obtenção da certificação da ANCORD. Essa é a única instituição credenciadora que autoriza o profissional a trabalhar como Agente Autônomo de Investimentos.

Para quem gosta de ser autônomo mas não se identifica com a profissão de AAI ainda existe a opção de ser corretor de seguros. Essa acaba sendo deixada um pouco de lado por puro desconhecimento. Porém, o corretor de seguros é essencial no planejamento financeiro familiar tanto que para obtenção da certificação CFP (Certificado de Planejador Financeiro Pessoal) umas das poucas atividades aceitas é a de corretor de seguros.

Conclusão

O mercado financeiro é bem amplo e oferece uma infinidade de oportunidades. Por isso é sempre necessário estar com mente aberta. O Brasil é um país em desenvolvimento e o mercado financeiro também, estamos passando por constantes mudanças em um mercado que tende a crescer cada vez mais. Por isso, importante ficar ligado nas oportunidades que aparecem e pegar uma carona nessa onda.