No último artigo eu falei um pouco sobre as principais causas do endividamento das famílias porque é muito comum acabar se endividando ao cair nas armadilhas do consumo.

Quando o endividamento começa e nenhuma atitude é tomada imediatamente, normalmente acaba virando uma bola de neve e não é comum famílias terem dívidas que, sem juros levariam anos para serem pagas. Por isso é muito importante saber como renegociar dívidas.

A solução mais comum nesses casos é renegociar os débitos. Por mais que possa parecer estranho para você em um primeiro momento, muitas instituições financeiras e lojas adotam medidas flexíveis para renegociação de dívidas em atraso.

Isso acontece porque a negociação através de um processo judicial acaba saindo mais cara para os dois lados.

As ofertas costumam ser variadas e muito interessantes para os devedores, por isso não se acanhe em tentar renegociar as suas dívidas.

O Novo Investidor - Tudo sobre Investimentos, Finanças e Economia

Abaixo preparei uma série de dicas que podem lhe vão lhe ensinar como renegociar dívidas e transformar este processo menos dolorido.

Elabore uma proposta antes

De nada adianta ir às cegas tentar fazer uma renegociação. Se você for até a empresa que você deve sem uma estratégia pré definida isso pode fazer com que a empresa emponha suas próprias condições, as quais podem não ser as mais favoráveis para você.

Todavia a sua proposta deve ser realista porque a empresa não é obrigada a aceitá-la. Nesta estratégia de renegociação você deve também estar preparado para receber uma contraproposta de quem possui o crédito e avaliá-la.

Importante, verifique se esta proposta é compatível com a sua capacidade de pagamento. Veja abaixo algumas dicas para criar a sua proposta:

  • Liste tudo o que você deve. Seja no cartão de crédito, cheque especial, carnês, boletos, empréstimos, financiamentos…
  • Crie uma tabela com o seu planejamento financeiro pessoal. Neste planejamento deve conter o quanto você ganha por mês e todas as suas despesas fixas, variáveis e descartáveis;
  • Analise bem suas despesas descartáveis, são estas despesas que você pode fazer um corte mais radical sem prejudicar seu orçamento;
  • Faça uma análise às formas de diversificar sua renda. Como obter uma aumento salarial, um trabalho como freelancer que você pode desenvolver ou até mesmo vender algo pela internet;
  • Verifique suas bugigangas. Você pode ter algo que pode ser vendido e levantar caixa de forma rápida para amortizar as dívidas;
  • Analise cuidadosamente seu orçamento familiar qual o limite de quanto você pode pagar na renegociação da dívida. Se o seu objetivo é sair de uma dívida, não assuma um compromisso que vai gerar outra dívida;
  • Lembre de considerar os imprevistos, afinal todos nós costumamos acreditar no melhor cenário e, por isso raramente prevemos um plano B para cobrir eventuais imprevistos como a perda de emprego, quebra do carro, doença…

Você deve definir a sua estratégia de negociação de dívida antes de sair de de casa para negociar com o credor. Pense antecipadamente nos argumentos que você irá apresentar e leve também todos os documentos para comprovar seus argumentos.

Outra dica importante é já ir com algumas perguntas engatilhadas para o negociador:

  1. Qual será o desconto em percentual da dívida total?
  2. Se pagar eu pagar a vista, posso ter um desconto maior?
  3. Caso parcele a dívida, quais serão os juros?
  4. Após pagar a primeira parcela do acordo, em quanto tempo meu nome será removido do SPC?
  5. Quando pagar a dívida completa, vou receber uma carta de quitação?

Caso reste alguma dúvida quanto a negociação, não decida por impulso. Peça para que o negociador lhe passe uma proposta por escrito que você irá levar a seu consultor financeiro (mesmo que não o faça). Isso vai mostrar ao credor que você sabe como renegociar dívidas e poderá tornar o trâmite mais maleável.

Leve a proposta para casa converse com sua família. Somente depois de pensar com calma e avaliar todos os pontos volte com uma contraproposta ou assine o contrato de negociação.

Procure resolver o problema o mais cedo possível

Logo que você perceba que sua situação está ficando difícil e que não conseguirá pagar suas dívidas, procure imediatamente o credor e explique sua situação. Seja o mais direto possível e explique o que ocorreu. Afinal a única coisa que interessa para ele é ter seu dinheiro de volta. Veja alguns passos práticos que podem lhe ajudar a resolver o problema.

Procure o credor

Caso a atendimento não seja possível, demonstre a intenção de pagar a dívida e tente marcar horário no setor responsável. Se mesmo assim não conseguir contatos, opte por outros meios como enviar um e-mail para o SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) da empresa.

Evite sempre intermediários como empresas de cobrança. Esta dica é valiosissima porque este tipo de empresa ganha justamente uma comissão sobre o valor recebido dos clientes e, dificilmente flexibilizarão sua dívida.

Analise o contrato de renegociação

Antes de renegociar a dívida veja se o contrato do reparcelamento não contém irregularidades, seja por provocar prejuízos consideráveis ou cobrar taxas indevidas.

Caso haja alguma irregularidade, denuncie ao órgão de defesa do consumidor e ao Banco Central.

Aproveite estas irregularidades como argumento na busca por um acordo melhor, de tal forma será possível melhorar as condições de pagamento.

Saiba priorizar as dívidas

Seja inteligente em qual dívida pagar primeiro. Você deve sempre pagar primeiro a dívida com a maior taxa de juros e menor chance de retenção de bens.

Resolva uma dívida de cada vez e com o tempo terá quitado todas.

Vá aos mutirões de renegociação

É comum que instituições financeiras se reúnam para fazer mutirões ou campanhas de renegociação de dívidas.

Esta é uma boa oportunidade de como renegociar dívidas.

Nesses casos há oportunidade de descontos maiores já que as empresas convocam os devedores em massa para quitar suas dívidas .

Ganhe tempo na negociação

Ao negociar o pagamento dos débitos com o credor, seja bem claro em relação as suas condições financeiras e tente ganhar o máximo de tempo possível.

Se você está em um aperto financeiro alongar a sua dívida ao máximo sem que lhe aumentem os juros pode ser uma ótima oportunidade de criar uma folga no seu orçamento.

Peça redução de juros

A renegociação voluntária é um caso específico permite que permite ao consumidor tentar negociar a redução de seus juros.

Não custa nada tentar, mas lembre-se que a instituição financeira não é obrigada a aceitar a sua proposta.

Utilize o décimo terceiro e o dinheiro das férias

Se você for tiver a oportunidade não deixe de utilizar este recurso extra para quitar ou dar uma entrada na negociação no pagamento de suas dívidas.

Veja as condições oferecidas por outros bancos

É possível migrar a dívida de uma instituição financeira para outra que ofereça melhores condições de pagamento. Ao pesquisar sobre as taxas de juros, prazos e benefícios oferecidos por outras instituições o cliente pode pressionar o seu banco para que sejam oferecidas condições semelhantes. Caso não tenha acordo e a instituição financeira original não avance vá em frente e migre de instituição financeira.

O Novo Investidor - Tudo sobre Investimentos, Finanças e Economia

Mude o tipo de financiamento

Quando não houver dinheiro para a quitação da dívida proponha mudança no tipo de financiamento o melhor a fazer é você obter um empréstimo mais barato como por exemplo, o crédito consignado que é muito mais barato do que cheque especial e rotativo do cartão de crédito.

Você continuará endividado mas a dívida com juros menores crescerá de forma mais lenta.

Procure o Procon

Os Procons de algumas regiões tem um sistema de auxílio aos superendividados que orienta a renegociação de dívida com os seus credores.

O prazo entre a primeira ida do consumidor ao núcleo que ajuda os superendividados na fundação e a assinatura do acordo é de 60 a 90 dias em média.

O mais legal é que em 76% por cento dos atendimentos feitos no programa chega-se a acordos com os credores.

Se for quitar à vista peça desconto

Caso você tenha dinheiro para pagar o valor total do empréstimo é uma ótima ideia pedir desconto.

Para o credor é sempre melhor receber o dinheiro de imediato, por isso vale a pena tentar uma redução da dívida ao quita-la.

Saber como renegociar dívidas é super importante, mas acima disso é importante sempre ficar atento se a taxa de juros cobrada não está acima da média praticada no mercado.

Pagar taxas de juros acima da média do mercado pode aumentar muito valor da sua dívida além é claro de um possível risco de descontrole em um futuro próximo.

Não tenha medo. Algumas instituições aproveitam o momento de fragilidade e falta de conhecimento dos seus clientes sobre o mercado financeiro e assediam o cliente ao condicionar a renegociação da dívida a contratação de serviços, a chamada venda casada.

Caso isso ocorra com você vá imediatamente ao PROCON de sua cidade para que seus direitos sejam cumpridos.

No mais espero ter ajudado você a aprender como renegociar dívidas com seu banco.