Afinal você viu em nosso artigo sobre rentabilidade bruta e rentabilidade líquida que existe uma grande diferença entre a “aparência” da rentabilidade e o quanto realmente um investimento rende.

Neste artigo vou te ajudar a compreender um pouco mais de como a inflação influencia seus investimentos.

O que é inflação?

Para que todos compreendam bem este artigo é imprescindível termos um conceito claro do que é a inflação. Afinal, este é um passo essencial para compreender como a inflação influencia seus investimentos.

“A inflação é o aumento persistente e generalizado no valor dos preços. Quando a inflação chega a zero dizemos que houve uma estabilidade nos preços.”

De forma simples inflação é o quanto o seu dinheiro perde o valor ao longo do tempo. Nos dias de hoje a inflação no Brasil está sob controle e dentro da meta mas já houve períodos de total descontrole no que chamamos de hiperinflação.

Você pode ler mais sobre esse assunto em um artigo específico em que falo sobre o valor do dinheiro e a inflação.

Como a inflação influencia seus investimentos é tão importante que existem títulos negociados no tesouro direto que pagam o IPCA mais uma taxa de juros (Tesouro IPCA e o Tesouro IPCA +).

Isso é importante justamente para que o seu investimento não perca o valor real ao longo do prazo. Outra informação importante é que é partir do IPCA (índice oficial de inflação) que o Conselho Monetário Nacional faz o acompanhamento de se a meta de inflação está sendo cumprida.

Em nível nacional um dos fatores que mais influencia a inflação é a taxa SELIC, uma das principais ferramentas de política monetária utilizada pelo banco central.

Relação entre IPCA e SELIC

A Taxa SELIC é a taxa básica de juros da economia e a sua alteração influencia diretamente na oferta de moeda.

De forma simples quanto maior for a taxa de juros maior também será o custo de todos os empréstimos em território nacional. Com o preço maior dos empréstimos e a atuação da oferta e demanda a procura por crédito será menor e consequentemente o consumo será reduzido.

Uma vez que o consumo está baixo os preços tendem a cair para não encalhar os estoques e consequentemente causa uma baixa na inflação.

O raciocínio contrário também é verdadeiro. Com a inflação baixa há espaço para uma redução na taxa de juros uma vez que isso irá reduzir o custo dos empréstimos e elevar o dinheiro em circulação na economia.

Com mais dinheiro circulando na economia o consumo também cresce aquecendo a economia e impulsionando a inflação para cima.

Neste momento econômico por exemplo, a inflação está sob controle (dentro da meta) e as taxas de juros vem se mantendo estável ao patamar de 6,50% ao ano (a menor taxa de juros da história).

Neste momento (25/09/2018) há uma perspectiva de aumento na taxa SELIC e manutenção estável da inflação como você pode ver a perspectiva oficial na imagem abaixo.

Perspectivas BACEN
Perspectivas BACEN

De forma resumida a inflação afeta seus investimentos de duas formas.

A primeira acontece obviamente com a inflação, afinal a inflação derrete o valor de compra do seu dinheiro.

E a segunda acontece através das políticas econômicas uma vez que o COPOM faz alterações na taxa SELIC para evitar o descontrole da inflação o que afeta diretamente todos os investimentos em território nacional.

Gostou do conteúdo? Sabia que temos muitos vídeos sobre certificações e investimentos no nosso canal do Youtube? Clique aqui para conhecer!