Fundos de Investimento

Carteira de Investimento

Kleber Stumpf
Escrito por Kleber Stumpf em 11 de abril de 2021

É um conjunto de ativos que o investidor adquire ou que um fundo de investimento administra, possibilitando uma rentabilidade a um determinado risco.

Ao constituir uma carteira de investimento é importante se atentar aos seguintes mercados, te possibilitando criar uma carteira diversificada e que dê retorno:

  • Juros prefixados;
  • Juros pós-fixados;
  • Câmbio;
  • Inflação;
  • Ações.

Juros prefixados: ativos que mantém sua taxa de remuneração, independente das oscilações do mercado.

Vantagem: quando a taxa de juros tem uma queda;

Desvantagem: quando a taxa de juros tem uma subida superior a taxa do ativo.

Juros pós-fixados: ativos que possuem a rentabilidade por juros pós-fixados, são aqueles que apresentam oscilação na rentabilidade, de acordo que a taxa de juros oscila.

Exemplo: Investimentos que visam ter uma remuneração maior que a inflação do país, ou seja, que oscilam conforme o IPCA oscila. Um título que realiza este processo: NTN-B ou Tesouro IPCA.

Taxas: SELIC, IPCA, DI e outras.

Câmbio: estamos dispostos ao risco cambial, ou seja, do real se desvalorizar em comparação ao dólar e outras moedas internacionais.

Logo, investir em ativos que possibilitam lucrar sobre essas oscilações de desvalorização é vantajoso para o investidor. Seja investindo no exterior ou comprando títulos brasileiros que são sensíveis a estas oscilações.

Exemplo: ações da SUZANO (SUZB3).

Inflação: é a perda do poder de compra do indivíduo. Todos estão sujeitos a inflação e por óbvio, seus investimentos também.

Como já abordamos em pós-fixados, é possível se defender da perda do poder aquisitivo e ainda por cima ganhar alguma rentabilidade, investindo em ativos que utilizam a inflação como taxa de juros.

Seja investimentos atrelados ao IPCA (IBGE) ou pelo IGP-M (FGV).

Ações: são ativos que possuem um risco mais alto, em comparação a títulos de renda fixa.

No Brasil, temos a B3, a única bolsa de valores brasileira que faz o processo de custódia e clearing das ações e outros ativos do mercado financeiro.

Como existem ações de diversas empresas e de diferentes setores, é possível obter uma lucratividade seja em negociações de compra e venda ou pelos direitos societários de quem compra as ações.

Cada ação possui suas particularidade e riscos. Por isso devem ser analisadas quais melhor compõem a carteira de investimento em questão.

Alavancagem: um fundo alavancado é aquele que existe a possibilidade de perda superior ao valor de patrimônio do fundo.

Utilizando derivativos, os fundos aumentam sua exposição para com o mercado.

Isso possibilita o fundo ter uma maior lucratividade ou a possibilidade de ter um maior prejuízo.

Alavancar é igual a aumentar o risco do fundo, já que acaba aumentando a volatilidade dos ativos do fundo.

O Novo Investidor - Tudo sobre Investimentos, Finanças e Economia

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *